As Origens do Nosso Verso Popular

III






Podemos falar do Brasil. Aviso aos poucos leitores desses pequenos ensaios que voltem aos anteriores, também aos intitulados “A Literatura de Cordel e a Influência Africana” e “A Trova e o Trovador” e ainda “Três Raças e Uma Musa”, todos estes partes da síntese das minhas pesquisas sobre as origens da nossa literatura popular em verso. Penso em mais alguns mini-ensaios, concluí-la.
Vamos ao que interessa.
Chegamos ao Brasil Colônia. Trataremos agora da matriz indígena, outra pouco estudada e citada pelos poetas acadêmicos de hoje, que querem tornar de origem puramente lusitana nossos versos populares.
Na sua Síntese de História da Cultura Brasileira, o Mestre Nelson Werneck Sodré, escreve que “... os religiosos responderam, em parte, pelo bilinguismo do século XVI, pela existência de uma língua, dita “geral”, que era a do índio – e só isso comprova a força de sua contribuição cultural – ao lado da língua oficial, o português; de uma língua popular, em contraste com uma língua culta; e, agravando o problema, paralelamente, o uso do latim pelo religioso, entre os pares. Tão grave pareceu às autoridades metropolitanas o bilinguismo e tão espantadas ficaram com a “extensão que ganhou o tupi, como língua geral, a ponto de ser utilizada até nos púlpitos”, que uma provisão de 1727 proibiu o seu uso.” Claro, o tupi como língua geral serviu de uso aos jesuítas na sua diabólica missão de catequização dos nativos. Mas, o interesse aqui é como se deu a contribuição indígena na literatura popular em verso, e para isso, serve como segundo guia “A Literatura no Brasil – Introdução Geral”, de direção do Mestre Afrânio Coutinho. Para este, houve uma ponte cultural dos índios com colonos e jesuítas, daí ele escreve:

“O índio não vivia só em guerras e a devorar seus semelhantes (brancos). Havia neles, também, o gosto do canto, da poesia a este inerente e o sentimento que a ambos dava fundamento.”

      E tratando da reação do índio no cenário jesuítico:

“O engajamento do índio nesse cenário inusitado humanista novo-mundista é atestado pelo moralista francês Michel de Montaigne já no século XVI, no capítulo “Des cannibales”, de seu livro Essais, escrito de 1571 a 1580 e publicado neste último ano. Eis um exemplo dado por ele:

                                                              Cobrinha, um momento pára
                                                              Quero imitar teu primor
                                                              E fazer cintura rara
                                                              Para dar ao meu amor...
                                                              Que adorno sejas, somente,
                                                              De uma, a outra serpente...”

      Lemos nos versos acima (não sei se foram traduzidos diretamente do tupi ou deste para o francês até chegar ao nosso idioma) que o índio dominou a métrica do homem branco, e a desenvolveu com temática própria, numa lírica simples e primitiva, afastada do renascimento europeu, mas próxima ao espírito medieval, trovadoresco, que também encontramos em Anchieta. Mas, o índio já tinha o hábito dos motes e da rima, como cita o próprio Afrânio Coutinho, “Gabriel Soares de Sousa(1587) assim dizia dos Tamoios:”

“...São grandes componedores de cantigas de improviso, pelo que são muito estimados do gentio, por onde quer que vão.”


Mesmo depois da proibição do tupi como língua geral da colônia, a influência indígena nos versos das cantigas populares ficaram. Como citei noutra postagem, houve a justaposição dos versos tupi e portugueses, como essa velha cantiga colhida por Couto de Magalhães da boca do povo no nordeste do séc. XIX:



                   Te mandei um passarinho,

                      Patuá miri pupé;

                   Pintadinho de amarelo,

                      Iporanga ne iaué.



                   Vamos dar a despedida

                       Mandu sarará,

                   Como deu o passarinho,

                       Mandu sarará,



                   Bateu asa, foi-se embora,

                       Mandu sarará,

                   Deixou a pena no ninho,

                       Mandu sarará.

           

    Ou neste do grande poeta popular mineiro Caldas Barbosa, séc. XVIII, onde encontramos também a forte presença africana, como diz o próprio título, motivo do próximo ensaio; fiquem com os versos xarapins (camaradas em tupi):

Lundum de Cantigas Vagas



Xarapim, eu bem estava
Alegre nest’aleluia,
Mas para fazer-me triste
Veio Amor dar-me na cuia.

Não sabe, meu xarapim
O que amor me faz passar,
Anda por dentro de mim
De noite, e dia a ralar.

Meu Xararapim, já não posso
Aturar mais tanta arenga,
O meu gênio deu à casca
Metido nesta moenga.

Amor comigo é tirano,
Mostra-me um modo bem cru;
Tem-me mexido as entranhas
Qu’estou todo feito angu.

Se visse o meu coração
Por força havia ter dó,
Pois que o Amor o tem posto,
Mais mole que quingombó.

Tem nhanhá certo nhonhô,
Não temo que me desbanque;
Porque eu sou calda de açúcar
E ele apenas mel de tanque.

Nhanhá cheia de cholices
Que tantos quindins afeta,
Queima tanto a quem a adora
Como queima a malagueta.

Xarapim, tome o exemplo
Dos casos que vêm em mim,
Que se amar há de lembrar-se
Do que diz seu Xarapim.

Estribilho:

Tenha compaixão,
Tenha dó de mim,
Porqu’eu lho mereço
Sou seu Xarapim.

     Com este lundum, afro-brasileiro e justaposto do falar tupi, fico por aqui.


Bibliografia:

WERNECK SODRÉ, NELSON. Síntese de História da Cultura Brasileira. RJ. 15ª Ed. Bertrand Brasil.

COUTINHO, AFRÂNIO. A Literatura no Brasil. Introdução Geral (Direção).SP. 7ª Ed. Global Editora.

ROMERO, SÍLVIO. História da Literatura Brasileira.Tomo Primeiro (Contribuições e Estudos Gerais para o Exato Conhecimento da Literatura Brasileira). RJ. 6ª Ed. Livraria José Olympio Editora.

A. DE AZEVEDO FILHO, LEODEGÁRIO. Síntese Crítica da Literatura Brasileira. RJ. 1971. Edições Gernasa.








            

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana