Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2014

4º Poeminha Cotidiano

Sabem de flores As borboletas, Sabem de amores As ampulhetas.

3º Poeminha Cotidiano

Tempo de fora A vida a fio, Adentro agora Águas dum rio.

As Origens do Nosso Verso Popular

Imagem
III





Podemos falar do Brasil. Aviso aos poucos leitores desses pequenos ensaios que voltem aos anteriores, também aos intitulados “A Literatura de Cordel e a Influência Africana” e “A Trova e o Trovador” e ainda “Três Raças e Uma Musa”, todos estes partes da síntese das minhas pesquisas sobre as origens da nossa literatura popular em verso. Penso em mais alguns mini-ensaios, concluí-la. Vamos ao que interessa. Chegamos ao Brasil Colônia. Trataremos agora da matriz indígena, outra pouco estudada e citada pelos poetas acadêmicos de hoje, que querem tornar de origem puramente lusitana nossos versos populares. Na sua Síntese de História da Cultura Brasileira, o Mestre Nelson Werneck Sodré, escreve que “... os religiosos responderam, em parte, pelo bilinguismo do século XVI, pela existência de uma língua, dita “geral”, que era a do índio – e só isso comprova a força de sua contribuição cultural – ao lado da língua oficial, o português; de uma língua popular, em contraste com uma língua culta; e…

2º Poeminha cotidiano

Alinho sem linha Um laço de lã, Menina bonita Amanha o amanhã.

Sinais de Dança

Imagem
Eleva-se livre e leve num passo. Suspensa suave segue no espaço. Poeta pressente e pensa seu gesto. Intentando o todo em tudo atesto.
E vejo as danças das damas d’almas, em mim, cravadas galgavam calmas. Adejo, e confusas fogem finas. Por fim,
sobem, somem Serafinas
em névoas, nuvens, neblinas...