Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2011

Cantiga a moda antiga

Como pode o jardineiro Evitar assim a flor, Como pode moça a lua Nascer sem o sol se pôr... Podendo assim como o não É só maneira do sim, Como tantas vezes versos Se foram e vieram em mim.
Evitei a mim moça linda, Mas um certo dia eu vi Num jardim de tantas rosas Uma flor que me perdi; Deixando rosas de lado Quis aquela flor por bem: Sempre viva no meu peito Da sempre-viva eu refém.
Evitei a mim linda moça, Até um dia no Solar Ver o Sol junto com a Lua No céu a tarde a namorar; Depois o Sol foi dormir E a Lua moça traquina Brincou com constelações Na noite de quina a quina.
Por fim, na esquina do céu, No jardim de cheiro bom, Numa trova a moda antiga Descobri qual nosso tom: A sempre-viva entre rosa, O Sol vivendo com a Lua, Verso com dedo de prosa... Quem sabe a gente na rua.

Trova-net

Moça me pede um poema,
Pede pedindo favor...
Fiquei sem saber qual tema,
Se amizade ou se é de amor.

Triolé

Do morro vejo amplidão, Da maré vejo infinito,
Ao chão coisas como são... Do morro vejo amplidão, Sem santo sem mundo cão Contra maré o morro fito... Do morro vejo amplidão Da maré vejo infinito.