Do Tempo da Paixão




Penso ser senhor do tempo,
Não cair sobre seu cais,
Mas, sinto que o tempo passa
Já perto quase não mais.

Nunca fui de intensidades

Das sensações passageiras,
Prefiro sempre as paisagens
Além de estradas e beiras.

Por parte pisei nos planos

que jamais é tempo fim,
Planos de saltos por dentro,
Pousos d'algo fora em mim.

Tempo pouco antes do tempo,

No fundo talvez amar,
Muito apenas passageiro
Do que ficou no lugar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana