Felicidade

Foto: Marta Torres

Canto canto que acantoo
Canto hoje felicidade,
Mesmo sem um conto canto
E assim deixo a Soledade.

Canto canto agora entoo
Na Estrada da Liberdade
Onde antigo boiadeiro
Cantava sua saudade.

Canto canto na quebrada
Onde a vida é mais verdade,
Onde a gente se amontoa
Nos cantos dessa cidade.

Canto canto pra favela,
Encanta a realidade,
Minha vaidade no verso,
O meu inverso da vaidade.

Canto canto no vaivém
Sem nenhuma novidade
Nem é novo nossa dor
Não ser infelicidade.

Canto canto no horizonte
Um canto de toda idade,
Remando a maré da vida,
Rimando a simplicidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana