Dos poemas antes postados



         Há poucos dias escrevi um soneto. Ontem entreguei no destino. O soneto como outros poemas não serão postados aqui. Pensarão então em qual critério faz um estar e outro não. O critério apareceu com o tempo. Hoje vários poemas não postaria, principalmente os primeiros, dos dias tenebrosos d’uma muda de espírito. Os outros são exercícios, exercícios de comunicação poética.
         Da forma bela p’r’uma bela forma.
         Uns bons exercícios, outros não tão bem executados. Importante é que foram úteis no aprendizado de novas formas ou variações p’r’os nossos versos populares. Uns fiz para amigas de carne e osso, outros p’ra gente que circula nesse real que não é atual. Peço obrigado a quem cedeu fotos que inspiraram e ilustraram essa fase do blog. Agora, falando sério, a fase é outra.
         A muda do espírito está completa.
         “...Quanto mais versamos os modelos, penetramos as leis do gosto e da arte, compreendemos a responsabilidade, tanto mais se nos acanham as mãos e o espírito, ponto que isso mesmo nos esperte a ambição, não já presunçosa, senão refletida” falava o mestre Machado de Assis no prefácio do seu primeiro romance. É dessa responsabilidade que falo, responsabilidade de quem escreve com generosidade, com sofrimento e o poeta é isso: um condenado a sofrer.
         Algumas experiências anteriores serão aproveitadas. Os poemas com fotos continuarão, mas serão fotos cotidianas ou retratos da nossa realidade; lindas moças estarão dentro quando o mundo clamar um verso; e, logo, ficarão mais escassos poemas de circunstâncias. Os exercícios de comunicação ficarão para as prosas de arte-educador, onde na verdade estão sem estar. Os poemas que não, terão seu sim noutro destino.
         Têm poemas que marcam etapas de nossa criação. O soneto que destinei ontem pôs por fim um tempo em mim. O fim também é um começo... começo d'outra coisa.
            Há algo em mim que se repara...
         Ontem meus olhos rasos d’água, uma dor não presunçosa, mas refletida, mudou algo que ainda hei de conhecer de forma simples. 
          Passos do destino que faz seu tempo em linha curva.   
          A muda do espírito não espera, quando você percebe já mudou...

Comentários

CR Moska disse…
Olá Tostoi, muito bom seu blog, valeu
Obrigado Mosca... vindo do seu senso crítico, fico muito lisonjeado

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana

Destrinchando a História da Donzela Teodora* - Um Clássico da Literatura de Cordel