Cantiga à Bela Citadina



No lugar que exploram, moça,
Mais-valia da beleza,
Canto versos novamente.
Aqui o sol é luz acesa,
Aqui o frio é geladeira,
Aqui a feira é fortaleza...
Canto versos novamente.

Onde repousa meu olhar
Porém tudo é natureza,
Natureza sinuosa,
Como as curvas duma serra,
Vales com fonte formosa,
Montes de forma manhosa
Onde repousa meu olhar...

Canto versos novamente,
Quem dera explorar seus montes
Subindo com mãos a serra,
No pico descer aos vales,
Dos vales correr na terra
Escura e de chão macio
Onde repousa meu olhar...
Onde exploram a beleza
Canto versos novamente...

Comentários

.liuengel. disse…
É possível ouvir até a sua voz.
E ver você neste poema.

beijos
Obrigado moça pelo lindo comentário... Beijos.
rOtinA poEtiCa disse…
querido amigo, eis aqui mais um singelo fã!
Obrigado camarada, fico muito lisonjeado por admirar meu trabalho. Abraço forte.

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana

Destrinchando a História da Donzela Teodora* - Um Clássico da Literatura de Cordel