Bailarina ensina... Me ensina a dançar

É que não sabia;
Aquela ternura,
A sua doçura,
A minha alegria
Na serra tão fria
Sem me agasalhar,
Somente a brincar
Em fala traquina:
Bailarina ensina...
Me ensina a dançar.

Agora é passado,
Agasalho deu
E ele se perdeu,
Mas lembro trançado,
Tricô vermelhado
Bonito de amar;
Fui com ele andar
Sem saber menina,
Bailarina ensina...
Me ensina a dançar.


Quem sabe soubesse
Hoje além do passo,
De verso que laço
P’ra que nunca cesse
Ou sempre regresse
 Os tempos de lá,
Outros passos dar
Nessa minha sina,
Bailarina ensina...
Me ensina a dançar.

Talvez algum dia,
Assim no destino,
Começo e termino
A nossa poesia
Em doce harmonia
A lhe recitar;
Se tempo deixar
Tempo determina,
Bailarina ensina...
Me ensina a dançar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana