PEQUENO ROMANCE DE AMOR




Ela uma bela evangélica,
Ele um poeta pagão,
Um dia os dois se encontraram
Por coisas do coração,
Sendo amor sempre semente
Que brota com pés no chão...

Ela dele não sabia
Além duns versos que fez,
Ele dela só sabia
Que acordava o Sol a seis
E trabalhava até a noite
Num suor de mês a mês.

Sendo o amor sempre semente
Que brota num sim ou não,
Ela resolveu a partida
Por um outro cidadão,
O poeta calou o verso
Não fazendo mais refrão.

Ela ficou sem dormir,
Mas a vida continua...
Passando tempo quem sabe
Vê seu sorriso na lua,
Lembra do poeta triste
Que sumiu da vida sua.

Comentários

Que romântico, mas, é com as diferenças que se fazem os romances perfeitos você não acha?
Osmar Machado Jr. disse…
E imperfeitos também, caro Alberto
E na poesia nos encontramos...E não estou perdida!!

Postagens mais visitadas deste blog

A Consciência Negra em Cordel na Escola

A Literatura de Cordel e a Influência Africana

Destrinchando a História da Donzela Teodora* - Um Clássico da Literatura de Cordel